27.3 C
Manaus
sexta-feira, março 1, 2024
Publicidade
InicioBrasilÁudios mostram assédio moral de Pedro Guimarães contra funcionários da Caixa

Compartilhar

Áudios mostram assédio moral de Pedro Guimarães contra funcionários da Caixa

Áudios revelados, na quinta-feira (30), pelo site Metrópoles mostram o comportamento agressivo do ex-presidente da Caixa, Pedro Guimarães, durante reuniões, contra executivos do banco. Guimarães pediu demissão do cargo após denúncias de assédio sexual e assédio moral contra servidores da instituição.

Em uma das gravações, o ex-presidente da Caixa ameaça os funcionários: “Quem for responsável, vai deixar de ser. Ou vice-presidente, ou diretor, ou superintendente nacional, ou gerente nacional. Então, Celso, é pra você essa: porque o Vreco é p** mole. Eu quero isso no detalhe. Eu quero os CPFs de todo mundo”.

Já em outro registro, Pedro Guimarães mostra irritação por decisões tomadas pelo colegiado: “Não é aceitável. E de novo: c* para a opinião de vocês, porque eu que mando. Então, eu não estou perguntando. Isso aqui não é uma democracia. É a minha decisão.”

Ele ainda alerta os dirigentes de que aquela postura pode levar a perda de seus cargos. “Não tem que ligar para ninguém. Se eu não dei o ok, não dei o ok e acabou. É não. Por que vocês vão tomar o risco de perder a função, cara, por uma coisa que eu não autorizei?”

A irritação de Guimarães tinha um motivo: financeiro. O Conselho de Administração havia aprovado mudanças em normas internas que limitavam a remuneração para quem participava de comissões ligadas ao banco. Na prática, a decisão representou a redução no valor que o então presidente da Caixa poderia receber. Com a participação nos conselhos, ele conseguia mais que dobrar o salário de R$ 56 mil reais a que tinha direito.

Além de Pedro Guimarães, o Ministério Público Federal deve começar a ouvir testemunhas e apurar se outros dirigentes da estatal também tinham a mesma conduta do ex-presidente. O nome mais próximo de Guimarães, que também será investigado, é o do vice-presidente de negócios do banco, Celso Leonardo Barbosa.

Somente após a repercussão das denúncias de assédio moral na imprensa, a Caixa se manifestou, em nota, confirmando ter recebido relatos de assédio, por meio dos canais internos do banco.

Apesar disso, a informação dos funcionários é que os casos foram denunciados há mais de 6 meses e que o compliance da empresa não avançou na apuração. Por isso, a nova presidente da Caixa, Daniella Marques, deve criar um comitê de crise para investigar as acusações de assédio dentro do banco. Marques também recebeu o aval do presidente Jair Bolsonaro para fazer outras mudanças na diretoria.

Ainda nesta quinta-feira, o Ministério Público do Trabalho deu prazo de 10 dias para que tanto a Caixa quanto Pedro Guimarães se manifestem sobre as denúncias.

Informações SBT Brasil

COLUNISTAS

Siga-nos

LEIA TAMBÉM

Clima esquenta na PM depois que a família do Coronel Menezes passou a mandar na corporação

Circula em grupos de policiais no WhatsApp um texto...

Comerciante que se achava dono da rua teve telhado demolido e material apreendido pela prefeitura

Um telhado construído em cima de uma rua para...