25.3 C
Manaus
sexta-feira, junho 14, 2024
Publicidade
InicioBrasilPetrobras sofre queda de R$ 34 bi em valor de mercado

Compartilhar

Petrobras sofre queda de R$ 34 bi em valor de mercado

Numa reviravolta surpreendente, a Petrobras testemunhou uma queda de R$ 34 bilhões em seu valor de mercado na quarta-feira, 15, após a saída de Jean Paul Prates da presidência da empresa. Ao final do pregão, a petrolífera fechou com um valor de mercado de R$ 509 bilhões, marcando uma diminuição considerável comparado aos R$ 543 bilhões do dia anterior.

A escolha de dispensar Prates foi feita diretamente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na noite de terça-feira, 14. Este desligamento acontece em meio a uma série de polêmicas relacionadas à distribuição de dividendos da Petrobras.

Segundo Einar Rivero, sócio-fundador da Elos Ayta Consultoria, o montante perdido pela Petrobras equivale ao valor total das ações da Hapvida. As ações ordinárias da Petrobras (PETR3), que dão direito a voto, caíram 6,78%, enquanto as ações preferenciais (PETR4), que têm prioridade no recebimento de dividendos, registraram uma queda de 6,04%.

A demissão de Prates, conforme o blog de Natuza Nery, estava sendo considerada há algum tempo pelo presidente Lula devido a constantes desentendimentos entre Prates e o governo federal, o principal acionista da empresa. A gota d’água foi a polêmica sobre a distribuição de dividendos extraordinários, na qual Prates contrariou a orientação governamental de reter os dividendos e se absteve na votação.

Prates, que vinha enfrentando dificuldades de relacionamento com o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, há bastante tempo, afirmou que respeita a decisão, mas mencionou que a medida foi resultado de “intriga palaciana”.

O conselho de administração da Petrobras aprovou o encerramento antecipado do mandato de Prates e nomeou Clarice Copetti, diretora-executiva de assuntos corporativos, como presidente interina. Além disso, o então diretor financeiro e de relacionamento com investidores, Sergio Caetano Leite, também foi destituído, sendo substituído interinamente por Carlos Alberto Rechelo Neto, atual gerente executivo de finanças.

A notícia pegou o mercado de surpresa. Frederico Nobre, chefe de análises da Warren Investimentos, considera a substituição negativa, destacando que Prates tinha um perfil equilibrado e bom relacionamento tanto com o mercado quanto com o governo. Ele expressou preocupação com a falta de credibilidade e segurança que a mudança pode trazer.

Por outro lado, Phil Soares, chefe de análise de ações da Órama, vê a indicação de Magda Chambriard como positiva, ressaltando sua excelente formação técnica e carreira bem-sucedida, ainda que a demissão de Prates traga um impacto negativo moderado às ações.

Analistas do BTG Pactual, em relatório a clientes, descreveram a mudança repentina como “surpreendente” e negativa, prevendo que os investidores começariam a precificar maiores riscos de interferência política na empresa.

A demissão de Jean Paul Prates sinaliza uma fase de incerteza para a Petrobras, com impactos significativos nas suas ações e questionamentos sobre a influência governamental na gestão da empresa.

COLUNISTAS

Siga-nos

LEIA TAMBÉM

Clima esquenta na PM depois que a família do Coronel Menezes passou a mandar na corporação

Circula em grupos de policiais no WhatsApp um texto...

Comerciante que se achava dono da rua teve telhado demolido e material apreendido pela prefeitura

Um telhado construído em cima de uma rua para...