25.3 C
Manaus
terça-feira, junho 18, 2024
Publicidade
InicioMundoIsrael proíbe consulado espanhol em Jerusalém de atender palestinos

Compartilhar

Israel proíbe consulado espanhol em Jerusalém de atender palestinos

Em retaliação ao reconhecimento do Estado da Palestina, a diplomacia israelense subiu o tom contra a Espanha e ordenou que o consulado do país, em Jerusalém, deixe de prestar serviços a palestinos da Cisjordânia ocupada.

De acordo com a diretriz, divulgado pelo ministro das Relações Exteriores israelense, Israel Katz, a medida passa a valer a partir do próximo dia 1 de junho.

“O Consulado Geral, ou qualquer pessoa em seu nome, não poderá prestar serviços a residentes da Autoridade Palestina nem poderá desempenhar quaisquer funções consulares ou outras fora do distrito de Jerusalém, sem consentimento prévio por escrito do Ministério [israelense]”, diz um trecho da decisão. “Se esta política não for respeitada, o Ministério não hesitará em tomar novas medidas”.

A retaliação contra Madri e palestinos acontece na véspera da data anunciada por Espanha, Irlanda e Noruega para o reconhecimento, formal, da existência da Palestina.

Segundo o chanceler de Israel, a medida é uma resposta àqueles que ameaçam a existência do Estado judeu.

“Os dias da Inquisição acabaram. Hoje, o povo judeu tem um estado soberano e independente, e ninguém nos forçará a abandonar a nossa religião ou ameaçará a nossa existência – aqueles que nos prejudicam, nós iremos prejudicar em troca”, escreveu Katz em uma publicação no X, antigo Twitter.

Desde o anúncio do reconhecimento da Palestina pela Espanha, Irlanda e Noruega, o governo de Benjamin Netanyahu tem afirmado que o avanço na solução de dois estados é uma “recompensa ao terror” depois de o Hamas invadir, matar e sequestrar pessoas em território israelense.

Medida não deve ser efetiva

Apesar da ordem vinda da Ministério das Relações Exteriores de Israel, especialistas afirmam que a medida dificilmente sairá do papel.

“É inviável, impossível que isso aconteça”, afirma Paulo Cesar Rebello, analista político e doutorando em Ciência Política pela Universidade de Salamanca. “Pode descartar, mesmo, essa possibilidade”.

De acordo com Rebello, Tel Aviv não tem o poder de decidir unilateralmente sobre assuntos relacionados a representações diplomáticas de outros países em seu território.

“Pode ser possível somente se o governo da Espanha ceder, o que não deve acontecer”, explica.

COLUNISTAS

Siga-nos

LEIA TAMBÉM

Clima esquenta na PM depois que a família do Coronel Menezes passou a mandar na corporação

Circula em grupos de policiais no WhatsApp um texto...

Comerciante que se achava dono da rua teve telhado demolido e material apreendido pela prefeitura

Um telhado construído em cima de uma rua para...