26.3 C
Manaus
quarta-feira, julho 17, 2024
Publicidade
InicioMundoPresidente russo Vladimir Putin visita a Coreia do Norte

Compartilhar

Presidente russo Vladimir Putin visita a Coreia do Norte

Nesta terça-feira (18), enquanto se dirigia pela primeira vez em 24 anos ao país recluso com armas nucleares, o presidente russo, Vladimir Putin, prometeu aprofundar os laços comerciais e de segurança com a Coreia do Norte e apoiá-la contra os Estados Unidos.

O apoio à Rússia ao líder norte-coreano Kim Jong-un, que é a única nação do século XXI que realizou testes de armas nucleares, preocupa os EUA e seus aliados asiáticos.

Putin elogiou Pyongyang por resistir à pressão econômica, chantagem e ameaças dos EUA., indicando que a Rússia, como membro com poder de veto do Conselho de Segurança das Nações Unidas, está reavaliando todas as suas abordagens à Coreia do Norte.

Putin elogiou o “camarada” Kim em um artigo publicado pela mídia estatal norte-coreana, prometendo “resistir em conjunto às restrições unilaterais ilegítimas” para promover o comércio e a segurança na Eurásia.

“Washington, recusando-se a implementar acordos previamente alcançados, apresenta continuamente exigências novas, cada vez mais rigorosas e obviamente inaceitáveis”, disse Putin no artigo, impresso na primeira página do Rodong Sinmun da Coreia do Norte, o porta-voz do Partido dos Trabalhadores no poder.

“A Rússia sempre apoiou e continuará a apoiar a RPDC e o heroico povo coreano na sua oposição ao inimigo insidioso, perigoso e agressivo.”

Putin destacou que a República Popular Democrática da Coreia (RPDC), fundada pelo avô de Kim Il Sung menos de dois anos antes da Guerra da Coreia de 1950, foi a primeira nação que a União Soviética reconheceu.

Além disso, a mídia estatal norte-coreana divulgou notícias que elogiavam a Rússia e apoiavam suas operações militares na Ucrânia, chamando-as de “guerra sagrada de todos os cidadãos russos”.

Os Estados Unidos acusaram a Coreia do Norte de fornecer “dezenas de mísseis balísticos e mais de 11 mil contêineres de munições à Rússia” para uso na Ucrânia, o que levou à visita de Estado de Putin. A Coreia do Sul, que é um forte aliado dos EUA, também suscitou preocupações.

Na segunda-feira (18), a Casa Branca expressou preocupação com o aprofundamento dos laços entre a Rússia e a Coreia do Norte. O Departamento de Estado dos EUA afirmou que Putin procurará armas para apoiar sua guerra na Ucrânia, o que é “bastante certo”.

Embora Moscú e Pyongyang tenham negado a transferência de armamento, eles concordaram em fortalecer suas relações militares, podendo incluir exercícios conjuntos.

Este ano, a Rússia deve superar a produção de munições da aliança militar da Otan, então a viagem de Putin provavelmente visa mostrar à Washington o quão perturbadora Moscou pode ser em uma série de crises mundiais.

A Rússia vetou em março a renovação anual de um painel de peritos que monitora a aplicação das sanções de longa data das Nações Unidas contra a Coreia do Norte devido aos seus programas de armas nucleares e mísseis balísticos.

O conselheiro de política externa de Putin, Yuri Ushakov, disse que a Rússia e a Coreia do Norte podem assinar um acordo de parceria durante a visita que incluiria questões de segurança.

Ele disse que o acordo não seria dirigido contra nenhum outro país, mas “delinearia perspectivas para uma maior cooperação”.

Segundo a Interfax, a visita incluirá conversas pessoais entre os dois líderes, um concerto de gala, recepção de Estado, guardas de honra, assinaturas de documentos e uma declaração à mídia.

A delegação incluirá o ministro da Defesa russo, Andrei Belousov; o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov; os ministros de recursos naturais, saúde e transportes; os chefes da agência espacial e ferrovias russas; e o vice-primeiro-ministro Alexander Novak, representante de Putin para a energia.

Imagens de satélite comerciais indicaram que a Coreia do Norte parece estar se preparando para uma possível parada militar no centro de Pyongyang antes da visita.

A reunião representa a maior ameaça à segurança nacional dos EUA desde a Guerra da Coreia, disse Victor Cha, um antigo oficial de segurança nacional dos EUA que agora trabalha no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

“Esta relação, profundamente enraizada na história e revigorada pela guerra na Ucrânia, mina a segurança da Europa, da Ásia e da pátria dos EUA”, escreveu ele num relatório na segunda-feira.

Ele pediu que Washington colabore com a Europa e outros parceiros para aumentar a pressão sobre Pyongyang no que diz respeito à economia e à diplomacia; se envolva com a China; e inicie uma campanha abrangente de direitos humanos e informação com o objetivo de inundar o Norte com meios de comunicação externos.

Desde 2006, a Coreia do Norte está sob sanções da ONU por causa de seus programas de mísseis balísticos e nucleares. Essas sanções foram mantidas ao longo dos anos.

Não há consenso no Conselho de Segurança sobre como abordar Pyongyang.

A Rússia e a China dizem que mais sanções não vão ajudar e que os exercícios militares conjuntos dos Estados Unidos e da Coreia do Sul apenas provocam Pyongyang. Há dois anos, vetaram uma iniciativa liderada pelos EUA para impor mais sanções da ONU à Coreia do Norte devido aos seus novos lançamentos de mísseis balísticos.

Washington e os seus aliados asiáticos acusam Pequim e Moscou de encorajarem a Coreia do Norte, protegendo-a de mais sanções.

Depois da Coreia do Norte, Putin visitará o Vietnã de 19 a 20 de junho.

COLUNISTAS

Siga-nos

LEIA TAMBÉM

Clima esquenta na PM depois que a família do Coronel Menezes passou a mandar na corporação

Circula em grupos de policiais no WhatsApp um texto...

Comerciante que se achava dono da rua teve telhado demolido e material apreendido pela prefeitura

Um telhado construído em cima de uma rua para...