27.3 C
Manaus
segunda-feira, junho 24, 2024
Publicidade
InicioSaúdeEstilo de vida pode prevenir ou potencializar a dor de cabeça, saiba...

Compartilhar

Estilo de vida pode prevenir ou potencializar a dor de cabeça, saiba mais

Popularmente conhecida como ‘dor de cabeça’, a cefaleia é a sétima doença mais incapacitante do globo e atinge cerca de 140 milhões de brasileiros, o equivalente a mais da metade da população (65%) de 215 milhões de pessoas, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBCe). Isso ressalta a importância de reconhecer a gravidade da condição, que vai além de um simples desconforto temporário, demandando cuidados especializados.

Tal é sua relevância que, em 19 de maio, o Brasil celebra o Dia Nacional de Combate à Cefaleia, uma campanha que visa educar sobre os sintomas, tratamentos e prevenção das diversas manifestações da doença, que afeta cerca de 40% da população da Terra, segundo a Organização Mundial da Saúde.

Entre as formas mais comuns, destacam-se a cefaleia tensional, descrita como uma pressão constante ao redor da cabeça ou uma sensação de “faixa apertada”; a cefaleia em salvas, caracterizada por dores agudas localizadas “atrás” dos olhos; e a enxaqueca, caracterizada por uma dor pulsante (unilateral ou bilateral), muitas vezes acompanhada de náuseas e distúrbios visuais.

Mas além dessas formas primárias (onde a dor de cabeça é a própria condição), existem também as secundárias, quando a dor de cabeça é um sintoma de outra doença, como tumor cerebral ou hipertensão intracraniana, entre outros problemas neurológicos.

“Quando se trata de tratamentos medicamentosos para aliviar as sensações da cefaleia, a melhor abordagem depende do tipo e da intensidade da dor. Para casos isolados e não recorrentes, pode ser administrado um medicamento isento de prescrição. No entanto, se os sintomas forem recorrentes, é aconselhável procurar um especialista para uma avaliação específica da condição. Ignorar isso pode comprometer o diagnóstico de um problema mais grave”, afirma Arthur Emídio, supervisor farmacêutico das redes FarmaBem e Flexfarma.

O profissional destaca que as farmácias desempenham um papel vital, não apenas no fornecimento de medicamentos, mas também na orientação dos pacientes para evitar a automedicação, que pode ocultar condições de saúde mais sérias. “Medicamentos de venda livre estão disponíveis, mas a consulta profissional é essencial para determinar o tratamento mais apropriado e para investigar possíveis causas subjacentes da cefaleia, que pode estar ligada a infecções, lesões ou outros distúrbios”, enfatiza Emídio.

Comportamento

Segundo a SBCe, a enxaqueca é o distúrbio mais comum de cefaleia. Esse tipo de dor de cabeça está ligado ao estilo de vida do paciente. Fatores como sedentarismo, tabagismo, obesidade, dieta inadequada e transtornos emocionais podem influenciar sua ocorrência. Assim, o tratamento pode envolver uma equipe multidisciplinar, incluindo neurologistas, dentistas, nutricionistas, psicólogos e fisioterapeutas.

Deuzilene Casado, nutricionista da Santo Remédio Flag Ship, destaca a hidratação como um elemento chave: “Um organismo hidratado melhora o funcionamento do corpo, inclusive do sistema circulatório, que é fundamental para que as dores diminuam”, explica.

Além disso, ela sugere o alho como um aliado contra a enxaqueca, graças às suas propriedades anti-inflamatórias, recomendando seu consumo cru em saladas ou outras preparações culinárias.”
Certos alimentos, como queijos envelhecidos, alimentos processados, cafeína em excesso e álcool podem desencadear ou piorar a cefaleia em algumas pessoas. Identificar e evitar esses gatilhos alimentares pode ajudar a reduzir a frequência e a gravidade das crises de cefaleia.

Uma alimentação rica em frutas, vegetais, grãos integrais e proteínas magras pode ajudar a manter a saúde do sistema nervoso e reduzir a inflamação, contribuindo para a prevenção da cefaleia. Alguns estudos sugerem que a suplementação de certos nutrientes, como magnésio, riboflavina (vitamina B2) e coenzima Q10, também pode ajudar a reduzir a frequência e a gravidade das crises de enxaqueca. No entanto, é importante conversar com um médico ou nutricionista antes de iniciar qualquer suplementação.

Com informações da assessoria

Os artigos são de responsabilidade exclusiva dos autores. É permitida sua reprodução, total ou parcial desde que seja citada a fonte.

COLUNISTAS

Siga-nos

LEIA TAMBÉM

Clima esquenta na PM depois que a família do Coronel Menezes passou a mandar na corporação

Circula em grupos de policiais no WhatsApp um texto...

Comerciante que se achava dono da rua teve telhado demolido e material apreendido pela prefeitura

Um telhado construído em cima de uma rua para...